• Ailton Segura

Estamos morrendo por falta de inteligência (burrice pra ser mais claro)

Atualizado: Fev 25


Ailton Segura


Procurando por vida inteligente na terra me deparei, logo cedinho com Noan Chomsky no site Carta Maior, falando da pós-pandemia. Ele é otimista e em suas lúcidas palavras percebi que o ocidente fracassou. Enquanto isso o Oriente já está se livrando do problema.



Lá o povo dança na rua, livre da Pandemia.


Começa me lembrando das suas participações Fórum Social Mundial de muito tempo atrás quando Margaret Thatcher dizia que “There is no alternative” [Não há alternativa]. Paralelamente o fórum dizia o contrário: existe uma alternativa e nós vamos criá-la.


Até hoje não permitiram a criação. Negam-se a pensar fora do liberalismo econômico, aquele para o qual não havia alternativa Depois deles veio Bill Gates, Elon Musk e suas inteligências que vão além do liberalismo e que se transformam em polos de riqueza representados não só pelo dinheiro mas em qualidade de vida.


Gattes investe numa abóboda protetora contra o aquecimento solar e Musk transita por outros campos modernos como os carros carros elétricos, abandonando fontes de energia proveniente do Carbono poluidor. Aceleram a tecnologia para além da modernidade. Ficam cada vez com mais dinheiro que investem não apenas no mercado mas em em qualidade de vida.


Há 20 anos o Brasil se tornava o país mais respeitado do mundo já apresentava alternativas domésticas. Ele se nega a revisar os acontecimentos desde então ou de abordar o modo como o Brasil é visto agora”. O bastão simbólico de alternativas hoje é visto pela Venezuela que ao fornecer oxigênio para aliviar a catástrofe em Manaus e pelos países que pelo alto nível de pesquisas em ciências da saúde destacam-se ne eficiência da vacinação, sobem ao pódio. E eles não estão no ocidente.


O governo do PT (leia-se Lula), cedeu ao grande capital. Sucumbiu e com ele todas as conquistas de um mundo além do liberalismo vão sendo corroídas pelo pensamento atrasado dos que ainda vivem no temo dos muares. Está sobrando autoridade e faltando inteligência naqueles que não veem alternativas e continuam a agir da mesma forma.


O New York Times diz: “Nova situação pandêmica: os hospitais estão ficando sem vacinas”, referindo-se aos EUA. Nos informa Chonski que agrega “as autoridades de saúde dos EUA estão frustradas porque as doses disponíveis não são utilizadas enquanto o vírus mata milhares de pessoas todos os dias. Milhares de vacinações agendadas foram canceladas e as autoridades locais, com frequência, não têm certeza sobre quais suprimentos elas terão em mãos.” A imprensa americana acrescenta que os hospitais não têm mais leitos e que pessoas morrem nos corredores. O quadro é o mesmo em qualquer lugar do país mais rico do mundo, com vantagens incomparáveis.


Na primeira página do NYT, ao lado do relato da catástrofe nos EUA, está uma história intitulada “Um ano após o bloqueio: isso é Wuhan hoje.” Ela retrata pessoas se deleitando em “um mundo pós-pandêmico, onde o alívio de rostos sem máscaras, encontros alegres e viagens diárias esconde os abalos emocionais”. Eles buscaram alternativas fora da imbecilidade.

O número de mortes diárias da Covid 19 nos EUA é cerca de três a quatro vezes maior que o total de mortos na China durante todo o ano da pandemia, em equivalente per capita, a medida correta. (informa em seu artigo Noam Chomsky).


Dito isto ele lembra que é insensato ignorar a história. E afirma “É comum atribuir o sucesso da China, em contraste com a catástrofe dos EUA, ao rígido controle autoritário da China sobre a população. A conclusão não é convincente. Taiwan é tão livre e democrática quanto os EUA. Sua população de 24 milhões registrou sete mortes. Além disso, observadores ocidentais na China relatam que a aceitação popular dos procedimentos muito rígidos que virtualmente eliminaram a doença parece ter sido amplamente voluntária e solidária”. Povo vivo e inteligente penso aqui.

A receita vem em seguida: “uma tentativa de revisão em todo o mundo parece indicar que os principais fatores para domar a catástrofe têm sido um governo eficaz agindo para o bem-estar de sua população, combinado com uma mentalidade coletivista geral e espírito de cooperação: estamos todos juntos nisso, para o bem comum”, escreveu Chomski mostrando alternativa fora do Liberalismo, que de novo não tem nada. E que venha a pulga do rato.


QUER SABER MAIS

Leia o artigo completo


(HTTPS://OUTRASPALAVRAS.NET/OUTRASMIDIAS/CHOMSKY-E-A-GRANDE-DISPUTA-POS-PANDEMIA/)

Publicado EM 10/02/2021 às 14:44 - Atualizado 10/02/2021 às

4 visualizações0 comentário