• Ailton Segura

Agricultura em grande escala na Amazônia acelera mudanças climáticas

Po Eduardo Maeda* University of Helsink





Os pesquisadores relatam que fazendas comerciais em grande escala em terras desmatadas no sul da Amazônia resultam em aumentos maiores de temperatura e menos chuvas do que fazendas de pequena escala.


O desmatamento converteu faixas de terra na região sul da Amazônia de floresta tropical em terras agrícolas. Os usos da terra desmatada são diversos e as atividades podem variar desde a agricultura em pequena escala em assentamentos rurais até a agricultura de commodities em grande escala. As fazendas comerciais no sul da Amazônia podem alcançar centenas de milhares de hectares de área, exportando milhões de toneladas em grãos e carne todos os anos.


Eduardo Maeda, da Universidade de Helsinque, e colegas usaram dados de satélite para comparar áreas dominadas por diferentes usos do solo e tamanhos de fazenda para avaliar seus impactos no clima regional. Embora pequenos assentamentos rurais não tenham experimentado mudanças claras nas chuvas durante as últimas décadas, as áreas dominadas por fazendas de commodities tornaram-se significativamente mais secas.


 As áreas de agricultura de commodities também experimentaram um aumento muito maior na temperatura, em comparação com os assentamentos rurais de pequena escala, em grande parte devido ao manejo intenso das safras comerciais, levando à redução da cobertura vegetal ao longo do ano e à diminuição da transpiração das plantas. De acordo com os autores, mitigar as mudanças climáticas na bacia amazônica exigirá alternativas às práticas agrícolas atuais de commodities.


“Nossos resultados mostram que o desmatamento causado por grandes fazendas de commodities pode causar um aumento de temperatura local até 3x maior do que o observado no desmatamento causado por pequenos assentamentos rurais”, diz Maeda


As florestas tropicais são condicionadores de ar naturais




Ilustração mostra a diferença de temperatura e evapotranspiração do solo de áreas de floresta, pequenas propriedades integradas a floresta e por ultimo a monocultura.


As florestas tropicais atuam como uma bomba d’água, obtendo água da superfície da terra e jogando-a de volta na atmosfera. Como esse processo requer energia, ele causa uma redução na temperatura da superfície. A água que retorna para a atmosfera, muitas vezes volta para a floresta na forma de chuva. As árvores tornam-se então um componente crítico de uma complexa máquina de reciclagem de água, que garante que a floresta se mantenha sempre úmida. Quando a floresta é removida, a água que retorna para a atmosfera é reduzida e a energia não utilizada contribui para aumentar as temperaturas locais.


A pesquisa de Maeda e colegas demonstra que esse processo é ainda mais agravado por grandes fazendas de commodities. A produção de safras de commodities na floresta amazônica é frequentemente associada a um manejo muito intensivo da terra. Devido às condições climáticas favoráveis, os agricultores costumam ter duas safras / semeaduras por ano. Essas atividades removem completamente a vegetação da superfície terrestre, levando a um clima local mais quente e seco.


Embora áreas dominadas por pequenos assentamentos rurais também experimentem aumento de temperatura, a magnitude das mudanças é substancialmente menor do que as observadas em grandes fazendas de commodities. Os autores do estudo argumentam que a principal razão é porque esses pequenos assentamentos rurais são frequentemente menos manejados, deixando uma cobertura vegetal mais densa e contínua do que nas grandes fazendas de monocultura.


Práticas agrícolas alternativas necessárias para ajudar a salvar a floresta amazônica

Os resultados desta pesquisa fornecem evidências convincentes de que práticas agrícolas alternativas serão críticas para um futuro sustentável na floresta amazônica.

“Isso significa que parar o desmatamento não é mais suficiente. Para proteger os remanescentes florestais, os agricultores da região amazônica terão que incorporar práticas mais sustentáveis ​​”.


De acordo com a pesquisa, isso significa que as atividades agrícolas precisam estar mais integradas ao ecossistema natural da Amazônia. A agrossilvicultura é, por exemplo, uma alternativa interessante, pois busca gerenciar os serviços florestais e a agricultura ao mesmo tempo, melhorando a fertilidade do solo, aumentando a disponibilidade de água, preservando a cobertura vegetal e o microclima. O reflorestamento de pastagens abandonadas e áreas de desmatamento ilegal também são caminhos importantes para mitigar as mudanças ambientais.


Os autores do estudo alertam que tais mudanças não virão facilmente. A produção de safras de commodities no sul da Amazônia pode ser um negócio muito lucrativo. Assim, as políticas locais e internacionais, em combinação com ações lideradas pela indústria de alimentos e organizações da sociedade civil, terão um papel crítico na mudança da mentalidade atual. 


Finalmente, aumentar a consciência internacional e a preferência dos consumidores por produtos mais sustentáveis, será essencial para criar uma pressão real na cadeia de abastecimento, esperançosamente dando alguma esperança para o futuro da floresta amazônica.


A pesquisa foi financiada pela Academia da Finlândia e realizada no Laboratório de Dinâmica de Ecossistemas Terrestres da Universidade de Helsinque.


Referência:

Large-scale commodity agriculture exacerbates the climatic impacts of Amazonian deforestation

Eduardo Eiji Maeda, Temesgen Alemayehu Abera, Mika Siljander, Luiz E. O. C. Aragão, Yhasmin Mendes de Moura, Janne Heiskanen

Proceedings of the National Academy of Sciences Feb 2021, 118 (7) e2023787118; DOI: 10.1073/pnas.2023787118


0 visualização0 comentário

@2020 - Todos os Direitos Reservados - Jornal do Boa - From WWEB Digital