Fotografo: RAFAEL COSTA
...
Proposta de proibir comercialização e transporte de peixes é questionados por diversos segmentos em MT

 
 
 
Pescadores, empresários e professores universitários manifestaram sua contrariedade ao projeto de lei, de autoria do governo do estado, denominado “Cota Zero” que proíbe a comercialização e o transporte de pesca amadora em Mato Grosso pelo período de cinco anos a partir de 2020.
 
Em audiência pública realizada no município de Barra do Bugres, aproximadamente 400 pessoas participaram do debate convocado pelo deputado estadual Wilson Santos (PSDB), para tratar da íntegra do PL 668/2019.
 
Comerciante há 20 anos no município de Santo Antônio de Leverger no ramo de peixes, o empresário Jair Gerônimo considerou que o projeto do Cota Zero é uma ameaça à sobrevivência de pequenos comerciantes do interior de Mato Grosso que exploram basicamente a atividade da pesca.
 
“O Cota Zero ameaça a vida financeira dos pescadores. Se esse projeto for aprovado coloca todos em uma situação difícil. Infelizmente, é um governo que só olha o lado dos ricos de Mato Grosso e não tem olhos para as pessoas mais pobres”.
 
“Até 70% do comércio de Santo Antônio de Leverger estará fechado por conta dessa lei. É um absurdo a lei estipular que 125 kg de peixe poderão ser tirados do rio por semana e imediatamente ingeridos pelo pescador”, concluiu.
 
O professor da Universidade Federal de Mato Grosso e doutor em Ecologia, Jerry Magno Ferreira Penha, criticou a tese defendida pelo governo do estado de que a pesca amadora representa uma ameaça aos rios e compromete a existência da diversidade de peixes em Mato Grosso.
 
“Não existem dados técnicos de que a pesca está eliminando os peixes. Mas sobram dados e evidências de que a inexistência de uma política de saneamento básico sacrifica gerações e compromete a atividade pesqueira e a saúde da população. O melhor dado científico diz que o estoque de peixe ainda permite a exploração da pesca”, disse.
 
Outro estudioso que condena a proposta do governo do estado como professor e ictiólogo é Francisco de Arruda Machado, conhecido popularmente como Chico Peixe. “O ser humano é um péssimo gestor da natureza. O Cota Zero é um projeto descabido que não atende os critérios técnicos e mantém obscuros interesses comerciais”.
 
A audiência pública durou três horas e contou com a participação de vereadores e populares dos municípios de Nova Olímpia, Barra do Bugres, Denise, movimento comunitário, comunidades ribeirinhas e representantes da Colônia Z-10.